top of page
  • centraldanoticiapa

Índice do Ipardes confirma desaceleração da inflação no Paraná em maio

O aumento dos preços dos alimentos e bebidas mais consumidos pelos paranaenses teve destacada desaceleração em maio, na comparação com abril. O informe mensal Índice de Preços Regional do Paraná - Alimentos e Bebidas, calculado mensalmente pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), apontou variação positiva de 0,16% do IPR, distante da taxa de abril, que somou 0,93%. No ano, o IPR ficou em 1,49%.

Entre os seis municípios pesquisados, cinco tiveram variações inferiores às observadas no mês anterior, sendo que Maringá foi o único a observar queda de preços, de -0,52%. Curitiba teve um aumento de 0,36%; Cascavel, de 0,29%; Londrina, de 0,27% e Ponta Grossa, de 0,10%. A variação só foi maior que a de abril em Foz do Iguaçu (0,44%), 0,31 ponto percentual superior.

Os reajustes de maior destaque entre os 35 produtos que integram o IPR - Alimentos e Bebidas em maio foram o do alho (5,83%), cebola (4,43%) e tomate (4,16%). O maior aumento mensal para o alho foi registrado em Londrina (12,82%) e Maringá (10,53%). “Esses acréscimos estão associados ou a entressafras ou à recomposição de preços, como no caso do alho”, explica o diretor de Estatística do Ipardes, Daniel Nojima, que assinala que as variações de preços foram menos acentuadas na maioria dos produtos acompanhados.

Entre os maiores decréscimos de preços no mês passado estavam os de óleo de soja, laranja pera e batata inglesa, com quedas de 8,16%%, 3,24% e 2,45%. As maiores quedas nos preços do óleo ocorreram em Cascavel (9,69%), Foz do Iguaçu (8,85%) e Ponta Grossa (8,11%).

A redução de preços destes e de outros itens, como de carne e café, segundo Nojima, advém da normalização do clima desde o segundo semestre do ano passado, que possibilitou com que o Paraná e o Brasil alcançassem super safras de grãos.

“Por sua vez, essas melhores safras propiciaram uma redução importante de custos em segmentos como de carnes e de óleo de soja, com declínios acumulados que chegam a quase 19% em pernil suíno e 24% em óleo de soja no período de janeiro a maio deste ano”, diz ele, apontando que a melhora no clima também tem favorecido a produção de hortifrútis.

ACUMULADO EM QUEDA – Essa redução nos aumentos tem contribuído para que, em 12 meses, a alta de alimentos e bebidas registre crescimento de apenas 4,32%. Do início do ano até maio, o índice acumula apenas 1,49% de crescimento nos preços, comprovando a manutenção da tendência de queda, sendo esta a segunda ocasião em que o índice anual fica abaixo dos 5% nos últimos 12 meses.

“Este comportamento é importante para que a variação anual, ao fim de 2023, resulte significativamente inferior à observada no ano de 2022, que teve média de 15,08%”, diz Nojima.

Nos últimos 12 meses, os itens com maiores altas no estado foram o biscoito (32,11%), ovo de galinha (25,77%) e maçã (20,52%). Em sentido oposto, apuraram-se, no mesmo período, preços menores em óleo de soja (-35,41%), cebola (-23,56%) e batata inglesa (-20,33%).

Nesse mesmo período o biscoito apresentou reajuste de 40,56% em Curitiba; 38,03% em Cascavel; 32,39% em Londrina; 28,12% em Maringá; 27,64% em Foz do Iguaçu e 26,56% em Ponta Grossa.

Já a queda no preço de óleo de soja foi de 38,68% em Londrina; 36,37% em Cascavel; 34,50% em Maringá; 33,97% em Curitiba; 33,51% em Foz do Iguaçu; e 35,29% em Ponta Grossa.

INDICADOR – Lançado em 15 de dezembro de 2022, o IPR utiliza os registros fiscais da Receita Estadual do Paraná. O Ipardes faz uma média de 382 mil registros de notas fiscais eletrônicas ao mês emitidas em 366 estabelecimentos comerciais de diferentes portes localizados em Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Ponta Grossa e Foz do Iguaçu.

Os 35 produtos avaliados foram definidos a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o Paraná e representam cerca de 65% das compras de alimentos e bebidas dos paranaenses. O instituto também trabalhou a série histórica de preços desde 2020, que permite analisar a flutuação no preço de alimentos e bebidas nos últimos dois anos no Estado.

Com a análise detalhada dos índices pelo Ipardes, as maiores cidades do Paraná têm condições de saber exatamente o comportamento dos preços dos alimentos, que possui um reflexo relevante na vida dos cidadãos. Os dados são importantes, por exemplo, para a elaboração de políticas públicas regionais e estaduais mais direcionadas em função da situação inflacionária de cada cidade. (Com Agência Brasil, Foto: Gilson Abreu/AEN)

Confira variação percentual acumulada em 12 meses: Junho/2022 - 21,14% Julho/2022 - 21,40% Agosto/2022 - 18,73% Setembro/2022 - 14,60% Outubro/2022 - 14,01% Novembro/2022 - 15,10% Dezembro/2022 -15,08% Janeiro/2023 - 13,95% Fevereiro/2023 - 13,01% Março/2023 - 7,57% Abril/2023 - 4,63% Maio/2023 - 4,32%

Comments


Patrocinadores

Patrocinadores Central dezembro (8.5 x 95 cm) (2).png
bottom of page